Astrosphera

Ancient astrological technics uncovered.

tem louco pra tudo. (zodíacos sideral ou tropical?)

Já vi muita gente mudando do zodíaco tropical para o sideral, mas humildemente confesso que não acreditava que o contrário existisse. Até que eu vi esse site, com o artigo de uma astróloga jyotish norte-americana na qual ela alega que usa o zodíaco tropical na astrologia jyotish. Tem louco pra tudo, porque uma pessoa dessas enfrenta séculos de tradição astrológica indiana, amplamente usuária do zodíaco sideral.
Vamos explicar melhor esses termos. A Astrologia Jyotish é aquela aplicada largamente na índia e que possui várias vertentes. A maioria (senão todas) as vertentes dela usam o zodíaco sideral, que considera o início do zodíaco baseado na posição de uma estrela. Essa estrela pode variar de autor para autor, alguns usando zeta piscium, outros beta arietis, etc.
Já o zodíaco tropical tem seu início fixo, baseado no momento em que o Sol chega ao equinócio de áries, que é a interseção do equador celeste (a projeção do equador terrestre) com a eclíptica (o caminho que o Sol percorre ao longo do ano, que constitui nos 12 signos).
Se a relação da terra com o universo fosse estática, esses dois zodíacos começariam sempre no mesmo local e todo esse debate não teria tanta polêmica assim. O problema é que o zodíaco sideral tem sua posição mudada pelo movimento de precessão dos equinócios, um giro lento que a terra faz em torno do seu próprio eixo (não é o mesmo e não deve ser confundido com o movimento de rotação que gera os dias e as noites) . Esse movimento leva quase 24 mil anos para que o mesmo ponto passe novamente por outro local, e ele muda a posição do início do Zodíaco (0° Áries) em relação às estrelas.
O que essa polêmica toda gera?
A implicação mais clara disso é que hoje temos algumas contradições celestiais evidentes e que não existiam na época em que a maioria dos clássicos mais influentes de Astrologia foram escritos. Sem nenhuma literatura anterior para nos basearmos, temos de lidar com a solidão das novas idéias.
Nos primeiros séculos da era cristã, o zodíaco sideral ainda era razoavelmente bem alinhado com o tropical. As constelações que deram origem aos signos ainda se encontravam alinhadas com eles. Assim, a constelação de áries ficava alinhada com o Signo de áries, etc. Entretanto, as coincidências do alinhamento não iam além, nem nunca foram: o tamanho da constelação poderia até ser maior ou menor que trinta graus, porém todos os signos obrigatoriamente tinham (e até hoje têm) trinta graus de extensão.
Em verdade, há uma probabilidade de que os signos foram denominados com base nos nomes e nas qualidades das figuras representadas pelas estações vizinhas a eles, mas signo é diferente de constelação. E ambos os zodíacos – sideral e tropical – lidam com signos, e não com constelações. A grande diferença é que o zodíaco sideral lida com um referência fixo dos signos em relação às estrelas, enquanto o zodíaco tropical lida com um referencial fixo dos signos em relação ao planeta terra.
Talvez seja melhor mostrar com exemplos as diferenças das quais estou falando. Vamos mostrar o meu mapa natal nos dois zodíacos diferentes e do ponto de vista das constelações. Abaixo, o meu mapa natal com base no zodíaco tropical:
Em seguida, o mesmo mapa, mas desenhado sob a perspectiva do zodíaco sideral:

Note que o tamanho dos signos em ambos os mapas é idêntico. A diferença é o início de cada um, isto é, onde cada zodíaco começa. Isso obviamente altera a posição de um zodíaco em relação ao outro. A diferença matemática entre o início dos dois zodíacos é chamada de Ayanamsa. Essa diferença é melhor vista nesse desenho de mapa do Solar Fire:
Para achar as posições dos seus planetas no zodíaco sideral, é fácil. Basta pegar a longitude zodiacal do planeta no zodíaco tropical e subtrair dela o Ayanamsa. O ayanamsa hoje mede aproximadamente 24 graus, e isso tende a aumentar 1° a cada 72 anos. Demorará aproximadamente 24 mil anos para 0° Áries do zodíaco sideral novamente se alinhar com 0° Áries do zodíaco tropical.
Podemos até fazer o cálculo reverso, para termos uma idéia mais precisa do número do Ayanamsa quando nasci. Vamos pegar a diferença entre as posições do Ascendente nos dois zodíacos:
Ascendente tropical : 19° 31′
Ascendente sideral: 355°55′ (ou 25°55′ Peixes)
Diferença (ayanamsa): 23°36′



Tudo isso é importante na hora de interpretar o mapa!
Essas questões técnicas são interessantes porque produzem diferenças significativas na prática. Se usarmos a mesma análise em ambos os zodíacos, teremos previsões diferentes. Meu Ascendente Tropical está em Áries, meu sideral em Peixes. Possuem dois regentes de natureza e condição completamente diferentes. Áries é regido por marte, Peixes Júpiter. Infelizmente, essa comparação não é possível tradicionalmente porque a Astrologia Jyotish possui diferenças significativas no modo como interpreta o mapa, se comparado à Astrologia Ocidental. Se você quiser comparar, terá de usar a mesma técnicas para os dois zodíacos e isso nunca foi documentado antes.
Quem já passou pelas duas astrologias (a jyotish e a ocidental), fica perplexo porque os dois zodíacos funcionam usando técnicas e interpretações diferentes. Você não pode usar um mapa sideral para extrair dele descrições de comportamento iguais àquelas que encontramos nos livros de Astrologia Psicológica da Liz Greene, mas ele é o mais adequado com técnicas indianas. Talvez devamos aceitar que a coexistência dos dois zodíacos é possível, mas com funcionamentos diferentes.
Um dado, porém, mostra que o zodíaco tropical, porém, é mais adequado para representar os eventos naturais cíclicos que acontecem na Terra: ele se alinha com as estações do ano. Quando o Sol chega a 0° Áries no zodíaco tropical, a primavera começa, e isso nunca mudará. Desse simples referencial, todos os signos se alinham com as mudanças que ocorrem nas estações. Os significados dos signos no zodíaco tropical se ajustam ao ciclo de quatro estações definidas que ocorre no hemisfério norte. Por outro lado, como o zodíaco sideral depende das posições das estrelas e essas posições mudam a depender da mudança de posição da Terra, esse tipo de correspondência não é encontrada no zodíaco sideral: atualmente, o Sol chega a 0° Áries sideral quase nos meados da primavera do hemisfério norte.
Como resolver esse problema (pelo menos, resolver dentro da sua cabeça)?
A maneira de resolver esse problema é a mesma que as pessoas fazem quando tem de escolher entre uma ou outra escola filosófica, teoria científica ou time de futebol. Podemos escolher um caminho sem uma razão plausível para seguí-lo, apenas por intuição ou “simpatia”. As pessoas mais racionais, porém, escolherão um dos dois caminhos a depender do número de evidências que suportem que um caminho é melhor que outro. Essas evidências, porém são também subjetivas, principalmente em se tratando de Astrologia.
Recentemente, eu analisei o mapa de uma pessoa e me detive a estudar as configurações que representariam o pai dela. Eu havia concluído pelos dois sistemas – indiano e medieval ocidental – que o pai daquela pessoa correu risco de vida em algum momento. Esse prognóstico, porém, foi mais evidente na Astrologia indiana, porque havia mais sinais clássicos de que os planetas e casas que representam o pai estavam completamente aniquilados e impedidindo a existência de uma figura paterna. De fato, o garoto perdeu seu pai com três anos de idade, antes de morrer ele nunca tinha sido muito presente. Depois disso, seu padrasto em seguida também morreu.
Analisei em seguida o mapa de uma pessoa que nunca se casou e me interrogava se um dia isso aconteceria. Pelo mapa indiano, as coisas ficam claríssimas, porque a dignidade de queda do regente da casa 7 e mais outros sinais indicam a completa aniquilação desse tema. Acontece que a Astrologia clássica ocidental também possui sinais muito claros, com o regente da Casa 7 na casa 12, sitiado entre maléficos e em combustão pelo Sol! Em verdade, a melhor maneira de você se decidir entre uma e outra geralmente é precedida da escolha entre uma e outra.

6 Comments»

  António Rosa wrote @

RodolfoGostei de aprender.Abraço.

  Dr. R wrote @

Obrigado pelo retorno, António. Fico lisonjeado de ter ensinado a você.

  Anonymous wrote @

Eu estudo Jyotish a mais de 20 anos, e uma coisa que se deve ter no jyotish não é só a técnica astrológica,mas viver um padrão de vida espiritual condizente com a prática do jyotish. Eu fui expulso pq falei a palvra "puta' em sua sem censura(que poderia ser "com censura") Espero que você volando ao Jyotish tenha mais critério ao julgar uma pessoa por uma simples palavra.Tony.

  Dr. R wrote @

meu caro "Tony" , eu não tenho nada pessoal contra vc. Eu nunca o vi pessoalmente. Se eu o excluí foi porque você direcionou a palavra puta a algum membro da comunidade e isso vai contra as regras. Usar a mesma palavra num contexto diferente (como demonstrando intensidade, por exemplo) não teria a mesma repercussão. Certas formas de demonstrações de desafeto não podem ser toleradas lá para que não se degenere a comunidade mais ainda. Fora isso, obrigado por visitar meu blog.

  GILCINEIA wrote @

Gostei muito da objetividade e clareza com que a diferença entre um e outro foram colocados. Desde os meus primeiros interesses em astrologia, soube que o meu ascendente era sagitário e sinceramente, muito do jeito com que me exponho, coincidem perfeitamente com esse signo. Mas, muito recentemente recebi o resultado de uma análise com base no mapa sideral, em que para minha surpresa, apresenta o meu ascendente como escorpião. Confesso que fiquei muito confusa. Quando voce fala em escolher um ou outro, intimamente acredito que ja fiz a escolha pelo tropical visto que as caracteristicas do signo informado tem muito mais a ver comigo. Voce acha que estou certa na minha opcao? Obrigada,

  Dr. R wrote @

Gilcineia, obrigado pelo retorno. Você está certa, se quer usar somente a astrologia para representar o comportamento. A astrologia ocidental tem quase dois séculos de experiência nisso e é muito boa nisso. Quanto ao resto… Já acho que o zodíaco tropical ainda deixa a desejar.A técnica indiana baseada no seu sábio maior, Parasara, é bem rica, sendo capaz de ter vários objetos de estudo: ela não se limita ao estudo do comportamento. Acima de tudo, ela é preditiva e muito precisa nisso. Eles usam o zodíaco sideral.Em outras palavras: um astrólogo indiano bem treinado pode prever o número de filhos que você terá, como será o temperamento de cada um, sua relação com cada um deles, e a vida de cada um – tudo isso no seu mapa! O mesmo tema, visto da perspectiva de um astrólogo ocidental, seria bem mais restrito. Um astrólogo ocidental com enfoque clássico (medieval) pode prever no máximo se você terá muitos filhos ou não, mas os detalhes serão quase impossíveis de serem vistos. Sem contar que algumas maneiras de se entender o mapa para isso são originárias da Índia, através dos astrólogos árabes medievais.Talvez daqui a alguns séculos nós – astrólogos ocidentais – teremos técnicas mais documentadas e tão precisas e minuciosas quanto as técnicas dos indianos, mas usando o zodíaco tropical. Há que se explicar o porquê dessa disparidade. É preciso ratificar que houve na índia uma continuidade do estudo da astrologia sem comparação no resto do mundo. Na Europa e no Oriente Médio, houve mudanças de paradigmas filosóficos e religiosos que causaram a interrupção do estudo da astrologia. Se não tivéssemos essas mudanças, talvez continuássemos estudando astrologia ininterruptamente desde a idade média e seríamos tão "feras" quanto os indianos.A depender do que você escolher dentro da astrologia, o zodíaco tropical será suficiente. Resta saber se sua curiosidade vai parar nisso apenas…


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: