Astrosphera

Ancient astrological technics uncovered.

A Firdaria e suas surpresas – Parte 2.

Vamos continuar aqui a segunda parte do artigo, tentando manter ainda a mesma objetividade e didática do anterior.

Como calcular sua Firdaria?

Se você não tem o Solar Fire (5 em diante) nem o Janus (3 em diante), a Firdaria é calculada inteiramente de graça nesse site:

http://firdaria.com/calculator.php

Basta colocar sua data de nascimento e dizer se você nasceu de dia ou de noite. Atenção redobrada se você nasceu quando o Sol nascia ou estava se pondo: nesse caso, veja se o grau do Sol está abaixo ou acima do eixo Ascendente-Descendente. Se estiver acima, você nasceu de dia; abaixo, de noite.

Mas atenção! Você se lembra de que existem dois tipos de Firdaria? Pois é, o site acima calcula somente a Firdaria ensinada por Bonatti, que coloca os períodos dos nodos sempre depois do período de Marte. Nada de Abu Ma’shar… E qual seria a diferença prática entre os dois tipos de Firdarias? A única diferença ocorre em mapas noturnos:

  • Na Firdaria noturna de Bonatti, os períodos dos nodos em mapas diurnos aparecem aos 39 anos.
  • Na Firdaria de Abu Ma’shar, os períodos dos nodos são sempre a partir dos 70 anos, seja o mapa diurno ou noturno.

Essa diferença gera uma discrepância que só mesmo a prática pode corrigir, mostrando-nos o que é certo. As concordâncias, porém, são muitas: se o mapa for diurno, tanto Abu Ma’shar quanto Bonatti são idênticos. Se o mapa for noturno, ambos concordarão até os 39 anos da pessoa. Assim, a única preocupação será com a pessoa que nasceu de noite e tem mais de 39 anos de vida.

Eu prefiro a Firdaria ensinada por Abu Ma’shar. Não é que eu seja chato por usar uma coisa que é difícil de se conseguir, mas eu considero que Bonatti entendeu as coisas de um modo errôneo. Entre acreditar num sucessor ou num predecessor, prefira o último.

Robert Zoller, porém, discorda de mim e crê que Bonatti está certo. Quem sou eu perante Zoller… São 30 anos de Astrologia contra apenas 6.

Passadas as observações metodológicas, vamos aprender a interpretar a Firdaria.

Como interpretar esse sistema?

Se você acha que eu aprendi a Firdaria no meu curso de Astrologia Medieval, está enganado. Eles dizem como funciona, mostram exemplos delineados em frases enigmáticas, mas não abrem muito o jogo, deixando o estudante meio desnorteado. Cabe a você perceber como a coisa é sistematizada, e aí é que são elas. Estudar a Firdaria é como observar animais selvagens na mata. Pouco a pouco, você consegue perceber alguma ordem no caos, e as coisas ficam mais domináveis. Evidentemente, nem todo o comportamento animal é previsível, e com a Firdaria é a mesma coisa.

A primeira coisa errada é pensar que a Firdaria Marte-Mercúrio terá os mesmos eventos da Firdaria Mercúrio – Marte. Aqui, a ordem dos fatores alterará o produto! Isto porque, em cada exemplo, os planetas assumem papéis diferentes.

Eu costumo chamar o planeta principal de “regente” e o outro de “participante”. Isso é uma coisa minha, que tem uma função didática clara. Se eu chamasse os planetas de “Regente” e de “Sub-Regente”, daria a impressão de que eles fazem a mesma coisa.

Quando eu digo “Marte-Mercúrio”, quer dizer que Marte é o regente, enquanto Mercúrio é o participante. Em outras palavras: dentro do grande período de Marte, Mercúrio assume temporariamente a distribuição. Há uma “regra de nomenclatura” implícita no discurso da maioria dos Astrólogos Medievais de que o planeta que vem primeiro na frase é o Regente, enquanto o segundo é o participante. Parece boçal, mas vamos treinar um pouco:


Marte-Mercúrio
Regente: Marte
Participante: Mercúrio

Mercúrio – Marte
Regente: Mercúrio
Participante: Marte

Agora que vocês já sabem quem é quem, aí vai uma regra geral para Firdarias:

O Regente representa a matéria, que toma a forma pelo Participante.

Abstrato demais? Veja um exemplo do meu mapa, recente até.

A partir de 2007, eu passei a viver a Firdaria Mercúrio-Marte. No meu mapa natal, Mercúrio está em queda e em detrimento, na Casa 12 (internações) e rege as Casas 3 (vizinhos, amigos, estudos, viagem) e 6 (doença).

Marte no meu mapa está em detrimento e retrógrado na Casa 6 (doença), no sétimo signo, e rege as Casas 1 (meu corpo e minha mente) e 8 (angústia, inativação, morte).

Mercúrio é a matéria: conteúdos mercuriais serão materializados de uma forma provocada por Marte. Como Marte no meu mapa é significador claro de acidentes, ele faz com que Mercúrio tome uma forma conivente com a ação marcial – claramente agressiva. Assim sendo, Mercúrio virou internações e doença, porque ele ocupa a Casa 12 e rege a Casa 6.

A interpretação acima ocorreu quase ao pé da letra: no ano de 2007, eu me acidentei e, em decorrência disso, tive duas longas internações, decorrentes da infecção da fratura.

Entretanto, a Firdaria de Mercúrio não foi só desgraça. Ela pode, a depender do planeta participante, adquirir uma outra forma, mais branda e mais positiva. Se o participante for um benéfico em bom estado, ele vai causar uma expressão mais positiva no regente. Se o participante for um maléfico em mal estado, a coisa degringola como no meu caso, que foi extremo porque Mercúrio no meu mapa está bem fraco e de péssima qualidade, assim como Marte – e é claro que a força tanto do regente principal quanto do participante é importante!

Vamos dar um outro exemplo, para facilitar. Quando a Firdaria Mercúrio-Saturno ficou ativada, eu iniciei meu interesse por Astrologia e me envolvi com algumas mulheres de um modo mais intenso do que o “meu” normal. Isso porque Mercúrio está determinado a estudos (regente da casa 3) e ele adquire a forma de Saturno, sendo Saturno um importante significador de estudos no meu mapa (já que o regente da Casa 9 – Júpiter – não aspecta a Casa 9, enquanto Saturno o faz). Mercúrio-Saturno é uma combinação comum em mapas de Astrólogos tradicionais; embora eu não tenha esse aspecto no meu mapa natal, foi nessa Firdaria que me interessei por Astrologia.

E quanto às mulheres em Mercúrio-Saturno? Isso é mais fácil de explicar. Saturno no meu mapa está na Casa 7 (parceiras). A forma de expressão Saturnina no meu mapa fez com que a matéria mercurial se expressasse como intrigas, segredos e experimentação (mercúrio na Casa 12) ligados a relacionamentos (Casa 7). Quando ligado a sexo, Mercúrio quer experimentar (embora isso não seja um pressuposto para afirmar homossexualidade – um hetero tímido pode descobrir o sexo e isso ser uma experimentação pra ele, que sequer tinha coragem de mostrar seu desejo).

Existem outras dicas que eu dou sobre a Firdaria porque ela também consegue prever eventos bastante concretos, como o nascimento de filhos ou a morte de parentes. No primeito texto em pdf da série Achados na Prática eu mostrei um caso no qual eu consegui prever o nascimento de uma criança apenas com a interpretação natal e a Firdaria. Naquele texto, você notará que é importante saber a interpretação natal. Sabendo o que cada planeta representa com exatidão em seu mapa, fica mais fácil prever com a Firdaria. Portanto:

Sua desenvoltura com a Firdaria será tanto maior quanto for a sua habilidade na interpretação da Astrologia medieval Natal.

Se você ignora Astrologia Natal medieval, vai achar a Firdaria uma porcaria. Cada vez mais que eu estudo, consigo tornar a Firdaria mais e mais previsível. Existem casos excepcionais que eu falarei numa segunda oportunidade. Estou pensando em escrever outro artigo para complementar esse, mas a idéia central está aqui.

Interpretando a Firdaria corretamente, com apenas uma folha de papel você dirá ao seu cliente a biografia dele. Esse é o poder da Astrologia Medieval: numa época na qual os cálculos matemáticos eram mais simples e maçantes, construía-se sistemas poderosos, não dependentes de matemática avançada, capazes de prever a vida inteira da pessoa usando apenas a figura natal. Nada daqueles relatórios enormes de trânsitos, progressões secundárias e Revoluções Solares.

9 Comments»

  Anonymous wrote @

Olá Rodolfo, aqui é o Renan (que está na lista da epismethologie).Eu pensei num exercício que você poderia passar (e que eu vou fazer agora em casa, inspirado pelo seu artigo): Estava afim de montar uma auto-biografia baseado na firdaria e nos anos em que vivi, e depois usar isso para descrever sem levar em conta o mapa natal como funciona os meus planetas e suas casas. Eu planejo com esse exercício entender a firdaria do prisma “de fora pra dentro”, isto é, da firdaria para o mapa natal, e como consequência a vida do sujeito. Você acredita que dá certo essa abordagem ou é melhor continuar levando em consideração a abordagem “de dentro para fora” (do mapa natal para a firdaria)?Abs.

  Dr. R wrote @

Este comentário foi removido pelo autor.

  Dr. R wrote @

Renan, se você fizer isso será a primeira vez, pode render frutos interessantes.Abu Ma’shar diz que a Firdaria deve ser analisada com base no mapa natal mas na exposição da técnica ele dá uma interpretação isolada dela, apenas pela combinação do período e do subperíodo. Ele não revela o método pelo qual chegou àquelas conclusões, mas esse método isoladamente revela coisas interessantes.Por exemplo, na minha Firdaria Mercúrio-Marte, Abu Mashar diz que o nativo poderia se acidentar, e foi o que ocorreu comigo. Ele cita outras coisas, porém, que não aconteceram. Essa variação deve depender do mapa natal.Talvez a Firdaria reflita uma disposição geral e que deve ser confirmada pelo mapa natal, mas isso é uma hipótese, surgida com a nossa conversa. Em paralelo a nossa discussão, Abu mashar diz que devemos analisar a Firdaria com base unica e exclusivamente no mapa natal – coisa que fazemos hoje em dia por acharmos a determinação local mais fidedigna do que coisas comuns a todos os mapas. Isso é um preceito quase cartesiano, da Astrologia Gaulesa de Morin de Villefranche.

  shinpfn wrote @

Rodolfo, apenas pra confirmar se entendi realmente a noção q vc tá passando: o regente trás a tona os assuntos representados por aquele planeta certo? Nesse caso, o participante “distribui” o assunto. Sendo assim, se eu estou na firdaria Vênus-Saturno por exemplo, Vênus regente da minha 2ª e Saturno da minha 10ª, Vênus e Saturno em estados medíocres, eu perderia recursos e teria problemas financeiros devido a dificuldades no trabalho, na medida em que a ênfase da vida seria a 2ª casa, e o assunto seria abordado por meio do participante… certo?Bom, além disso, existe algo que eu gostaria que fosse explicado se possível, ainda que isso seja território desconhecido para muitos. Quais são os fundamentos da firdaria? Por exemplo, temos uma boa fundamentação para os regentes dos signos, mas ainda não vi a fundamentação teórica da firdaria ser abordada de modo mais claro, e isso me incomoda um pouco na hora de aplicar a técnica.Tb gostaria de dar uma sugestão pra futuro artigo: como usar os termos (egipcios) na prática astrológica, e se é possível combinar o uso deles, com o da firdaria. Vlw!

  Dr. R wrote @

Sendo assim, se eu estou na firdaria Vênus-Saturno por exemplo, Vênus regente da minha 2ª e Saturno da minha 10ª, Vênus e Saturno em estados medíocres, eu perderia recursos e teria problemas financeiros devido a dificuldades no trabalho, na medida em que a ênfase da vida seria a 2ª casa, e o assunto seria abordado por meio do participante… certo?Exatamente. Você absorveu corretamente. Vênus na 2 – dinheiro oriundo de mulheres, pessoas efeminadas ou coisas femininas. Saturno na 10 – dificuldades da carreira, infâmia, queda de uma posição. Assim sendo, Saturno pode gerar a perda desse dinheiro venusiano.Bom, além disso, existe algo que eu gostaria que fosse explicado se possível, ainda que isso seja território desconhecido para muitos. Quais são os fundamentos da firdaria?Eu deveria ter falado nisso. A Firdaria é um dos poucos vestígios da Astrologia Persa, que foi destruída pelos conquistadores (se não me engano, muçulmanos). Abu Mashar se apropriou dela. Não há um fundamento na nossa lógica moderna, cartesiana. A Firdaria se baseia em dois conceitos: o séquito (diurno ou noturno) e a ordem caldaica dos planetas (Saturno – Júpiter – Marte – Sol – Vênus – Mercúrio – Lua)

  José C. Jr. wrote @

Só um pequeno comentário histórico…Os conquistadores dos Persas são os macedônios, que helenizaram todo o mediterrâneo leste, pelas consquistas de Alexandre O Grande. O período muçulmano é bem posterior, quando não havia mais os persas, por assim dizer, mas o Império Selêucida (que surgiu de um dos generais de Alexandre).

  juliapu wrote @

Oi Rodolfo,Aqui é a Julia…Gostei muito do site, confesso que não conhecia quase nada da astrologia medieval… Em relação a firdaria, fiquei impressionada…Ano passado eu estava na firdaria mercurio-marte ( mercurio em virgem na 8 e marte em escorpião na 10) e sinceramente foi um desastre, bem parecido com o descrito… Tomara que a mercurio-sol ( sol em leão na 7) não seja ruim assim…rsrsrsSe vc tiver algum livro pra indicar sobre isso e tambem sobre as partes arábes eu ficaria imensamente grata!

  Dr. R wrote @

Oi Julia,Livros para Firdaria não existem. Isso me decepciona também. Os indianos têm vários livros sobre seus períodos planetários e não temos nenhum sobre a Firdaria, que é a técnica de períodos planetários da nossa Astrologia Ocidental. Já livros para partes árabes, tem o "Arabic Parts – Lost key to prediction" do Robert Zoller, que pode ser comprado pela internet no site do Astroamerica, por exemplo. E tem também um livro em pdf do Robert Zoller, que pode ser comprado no site "www.robertzoller.com".Bom estudo.

  Lucas wrote @

RodolfoComecei a estudar a firdaria faz pouco tempo e entrei na firdaria de Mercúrio-Lua esta quinta-feira passada. Só que agora, tentando analisar como será minha vida daqui pra frente, cheguei num impasse…Ambos os planetas estão em mal estado. A Lua está em queda e Mercúrio está retrógado e em detrimento em Sagitário, na Casa 12. Ou seja, más notícias (rsrs). Porém, a Lua está em uma casa boa (casa 11) e rege a casa 7, enquanto que mercúrio rege as casas 9 e 6. Deu parafuso na interpretação aqui…O que devo considerar? Os planetas não fazem aspecto algum (na verdade, a Lua faz um sextil fraco com o Asc.), e na casa regida por Mercúrio (casa 9) está Júpiter em detrimento sem um bom testemunho…Pelo que eu entendi, a Lua vai formar as "coisas boas" das casas 11 e 7 (parceiras, amigos, felicidade) na "matéria" de Mercúrio, porém isso na casa 12 e 9 ou na casa 6? Ou em todas elas?Pra ser mais simples: como os planetas estão em mal estado, eles vão significar mais os aspectos das casas ruins (12 e 6) ou das boas (9, 7 e 11)?Agradeço muito pela resposta🙂


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: