Astrosphera

Ancient astrological technics uncovered.

Sistema signo = casa

A astrologia sofreu muitas modificações desde a sua gênese, o que não se trata de nenhum absurdo, pois consiste na adaptação deste saber ao pensamento dos homens de cada tempo. Contudo, não é uma adaptação geralmente tolerante com antigas tradições, se estas ferem os paradigmas filosóficos desses povos que incorporam a astrologia. Desse modo, as adaptações acabam por relegar certas técnicas ao esquecimento.

Felizmente, com as pesquisas do projeto Hindsight, retomou-se conceitos antigos, e estamos agora digerindo todas as descobertas a fim de revisar a prática astrológica. Uma dessas redescobertas é o sistema de casas de signos inteiros, em inglês, whole-sign houses.

O sistema é simples: cada signo corresponde a uma casa. O ascendente é o marcador da hora, em grego horoskopos, é o ponto terreno que sinaliza qual é o primeiro signo, e portanto, qual a primeira casa. O meio do céu também é um outro marcador, que sinaliza a área da vida na qual a pessoa ganhará seu sustento e terá trabalho. Para um ascendente áries, a casa dois é o signo inteiro de Touro, a três o signo inteiro de gêmeos, e por aí vai, até o décimo segundo signo=casa, peixes.

O que não muda nesse sistema é que os signos a partir do ascendente sempre se referirão a um mesmo assunto. O nono signo sempre terá relação com viagens, educação superior e a espiritualidade do nativo, mesmo que o meio do céu se encontre nele. A presença do zênite nessa casa, portanto, representa que o nativo pode ter sustento dessa área: talvez um sacerdote, alguém que ganha dinheiro de viagens, dentre outros significados.

Dessa forma, a interceptação dos signos inexiste. Interceptação ocorre em latitudes muito distantes do equador, é uma consequência negativa e inevitável do sistema de quadrantes que aplicamos hoje. A interceptação proporciona certos absurdos como a presença de duas casas dentro de um mesmo signo, e, como consequência, dois outros signos dentro de uma mesma casa.

Sempre se lidou com a interceptação considerando os signos fora da cúspide como regentes secundários. Ás vezes, tais regentes nem são utilizados. Eu me pergunto: e quando leão é interceptado? podemos desconsiderar o sol, ou colocá-lo numa posição secundária?

A preservação do sistema de signos inteiros não é uma questão de manutenção inútil das tradições. Ela nos dá indícios que não teríamos na carta natal usando as regras do sistema de quadrantes. Em verdade, esse sistema é excelente para observarmos a força de um planeta. quanto mais perto do ascendente e do meio do céu, mais força tem um planeta para agir representando seus assuntos. Quanto mais cadente dos ângulos, menos força.

Como todos sabemos, o sistema de quadrantes possui inúmeras variações, e para entendê-las na prática, recomendo os livros de Bob Maransky sobre direções primárias, disponível na internet. Existem mais de quinze sistemas de casa quadrantes, mas os mais antigos são o sistema de casa iguais, o sistema porfírio, e o sistema Alcabitius semi-arco.

O sistema Porfírio é muito simples. Basta descobrirmos por cálculos a posição do ascendente e do meio do céu, e dividimos os espaços entre esses dois pontos por três. Dependendo do dia, contudo, ainda há risco de interceptação.

O sistema de casas iguais é mais simples ainda. Se o meu ascendente é 21 de sagitário, todas as cúspides estarão no grau 21 de cada signo. Neste, dos dois erros mais comuns nos sistemas quadrantes, a interceptação vai-se embora, restando apenas um: o risco de errarmos a casa onde o planeta se encontra, pois o limite entre as casas ainda é, como em todos os métodos desse sistema, as cúspides. Discorrerei sobre o problema a seguir.

Usando meu mapa como exemplo, temos marte em libra, o sétimo signo a partir do meu ascendente Áries. Marte se encontra antes da cúspide da casa sete, o que nos leva a considerar que este planeta, apesar de se encontrar em libra, ainda está na casa seis.

Existem muitas considerações sobre marte na casa seis que fazem sentido no meu mapa, porém exite uma característica do tipo de parceria que atraio não representada eficazmente pelo sistema de quadrantes. As parcerias que faço geralmente são com mulheres altamente belicosas.

Se aplicarmos o sistema de signos inteiros, marte se encontra no sétimo signo a partir do ascendente, o que o torna como um dos planetas que descrevem a natureza das parcerias que realizo.

Esse é um dos exemplos que mostra como a aplicação desse sistema pode simplificar a interpretação. Antes de mostrar nossos mistérios, o mapa tem mostrar coisas evidentes na nossa vida.

O sistema de signos inteiros é aplicado na astrologia védica até hoje. Apesar das inúmeras diferenças entre a astrologia védica e a ocidental, como o uso do zodíaco sideral, não é difícil de perceber grandes similaridades. O que é mais evidente, porém, é percebermos na Índia os resquícios preservados de uma prática astrológica muito antiga. Essa percepção não seria possível sem as descobertas do projeto Hindsight e de outros historiadores. Devemos a eles esse período de efervescência na astrologia.

1 Comment»

  Ricardo Fliege wrote @

Teve um tempo que eu estuda direções a planetas na casa 8 e muitas vezes quando as casas eram desproporcionais eu usava as casas iguais e ficava muito bem enquadrado, quem sabe não é porque se aproximou do signo-casa.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: